Dia 3 em Jodhpur/RIFF

Nada mau indo trabalhar todo dia numa fortaleza do seculo 15….só que a internet ta meio ruim….acho que não previsaram esse tipo de rede naquela epoca… hoje foi dia de comprar discos na cidade com o objetivo de procurar músicas rajasthanis para samplear/remixar/refixar.

Na verdade, fiquei um pouco supreso – não tinha tanta coisa de música rajasthani. na media, os estoques das lojas ou camelôs tinham uns 15 ou 20% voltado aos lançamentos rajasthanis. A maioria do espaço era voltado a música de Bollywood, música religiosa (hindu principalmente) e DVDs (todos os ultimos lançamentos de Bollywood (parece que a indústria Bollywood está começando fazer filmes com menos canto/dança e dando mais atenção ao roteiro, que eu gosto. fiquei mais a fim de ver os filmes que estão passando ultimamente por aqui do que quando comecei visitar Índia em 1999).

Achei uma música rajasthani que é meio imitação de uma Bollywood hit do momento, com video e tudo.  Não conseguí achar a versão local, mas aqui é a versão original (Bollywood):

Cantada em Maruadi, o Hada garanta que o pessoal aqui vai gostar (mas que não ia gostar se eu tocasse a mesma música na versão bollywoodiana). Achei música tradicional rajasthani instrumental com só percussão (umas coisas com o famoso Nathulal, que eu conheçí ano passado e que já tocou com tudo mundo, meio o Tito Puentes de Rajasthan), tambem “Rajasthani Tunes on Band” – metais! e que tal, “Rajasthani Sexy Songs” – remixes e refixes e versões rajasthanis de Bollywood.

Passei uma loja de instrumentos musicais. meio triste – a maioria dos instrumentos eram bem velhos e cobertos de poeira. Mas, tinha 2 baterias mechanicas – não eletronicas, mechanicas. normalmente usadas nos templos hindus (o filho do Nathulal, que é musico tambem, reclamou muito disso – o templo de Brahma em Pushkar trocou eles como os bateristas oficiais do templo para uma bateria dessa). Bom, posso dizer que é alto pra caralho – essa parte funciona muito bem – alerta o pessoal que é hora de ir pro templo, mas bom, falta uma certa humanidade, sabe?

tomamos suco de “pome granada.” o que é mesmo em português? bom demais! e seguimos pra curtir mais comida da rua – “as melhores samosas do mundo.” Tirei umas fotos e daqui a pouco todo mundo da loja queria que eu tirasse o retrato dele e mostrasse na telinha depois. E, parece que todos ficaram bem satisfeitos com o resultado.

Agora é hora de digitalizer todos os CDs, escutar tudo e começar integrar os sons no set….

…..tem uma grande diferença na qualidade das gravações. desde o que parece 28kbps com a 192kbps a VCDs (a unica maneira de conseguir certas músicas) e DVDs (as Rajasthani Sexy Songs deve ter Sexy videos tambem…) fase invertida até 16/44 estéreo bem gravado. São 12 discos ou uns 1000 + músicas de tech house rajasthani bollywood DJ mashups á ritmos pesados com dhol ou o tradicional voz e harmonium. Tem variás faixas que acabei só gostando de um trechinho e separo pra samplear. Tem outras com um grito esquisito de um cara ou o riso de uma mulher sampleados com efeito de som de syntetizador cafona usado libramente em variás. tipo o “chão” ou “dedinho pro alto” ou catra fazendo o tamborzão em beatbox. Achei um ” jija tu kalo mai gori” com aquelas vozes quase impossívelmente agudas cheio de mel ou açucar ou seí lá o que e as tablas e cordas de Bollywood. Adoro.