MAGA BO

International sonic weaponry and rhythm knowledge – Rough Trade

Spanning the breadth of international urban bass music, Maga Bo‘s work makes connections between the organic and the electronic, the traditional and the avant-garde and the local with the global. In his live performances, original productions and remixes from his far reaching creative collaborations take new forms mixed live, often with the participation of MCs and live musicians.

Direct, in-person, on-location collaboration with other artists has been paramount in his work, having participated in artistic residencies in Morocco, India, Ethiopia, Senegal, Zanzibar, South Africa to name a few.  There are no canned samples here – all instruments and vocals come straight from the source.

His studio work and live performances are informed by the philosophies of hip hop and dub on a fundamental level.  Adding and subtracting elements dub-wise in the same way that as artist might work with positive and negative space.  Inspired by hip hop and sound system culture, the recontextualizion of riddims and sounds is enriched by the presence of live vocalists and percussion.  Working with layers of sounds, it’s not only rhythm or harmony, but juxtapositions and textures that give this work a depth rarely seen in electronic music today.

Maga Bo has performed in India to Ethiopia to Brazil to major summer festivals across Europe to touring North America and Australia.  He has performed at the Sydney Festival, an official showcase at WOMEX, Club Transmediale and Mundial. On the road nearly constantly, he still manages to keep up up on the production front – having collaborated with Mulatu Astatke, Issa Bagayogo, Bollywood star Shilpa Rao, BaianaSystem as well as releasing critically acclaimed remixes for Poirier, Luisa Maita, Filastine, Blick Bassy and Bomba Estéreo.

His critically acclaimed debut full length album, recorded in Senegal, Tanzania, Morocco and South Africa with heavyweight local rappers and musicians, Archipelagoes, was released on DJ /Rupture’s Soot Records.  He later released an EP on Senseless Records from his work with traditional musicians in Ethiopia.  His music and remixes have also been released on Tru-Thoughts, Ninja Tune, Cumbancha, World Connection and many others.

Having performed and worked in over 40 countries, his work has brought him in confrontation with coked up, bribe-seeking policeman, inebriated clandestine taxi drivers and malaria. Tackling challenging topics of cultural appropriation, stylistic fusion and immigration, this is crucial creativity and collaboration accomplished by any means necessary.

Call it transnational bass or global bass or tropical bass, Maga Bo is tapped into and part of this weird new sonic zone.

Online Press Kit

Poucos produtores são tão representativos do fenômeno “bass globalizado” – FACT Magazine

Produzindo na diversidade do global bass, Maga Bo faz conexões entre o orgânico e o eletrônico, o tradicional e o avant-garde.  Em suas apresentações ao vivo, com participação freqüente de músicos e MCs internacionais, suas composições autorais e remixes ampliados vão ganhando novas formas.

A colaboração direta e pessoal com artistas locais é fundamental para a elaboração de sua música global. Maga Bo vem participando em residências artísticas no Marrocos, Índia, Etiópia, Senegal, Zanzibar e África do Sul, entre outras.  Aqui, não há samples pré-fabricados – todos os instrumentos e vocais vêm diretamente da fonte de suas parcerias.

Das produções em estúdio às performances ao vivo, sua música é inspirada pelas filosofias do hip hop e do dub.  Como um artista plástico trabalhando o negativo e o positivo, Maga Bo adiciona e subtrai elementos dub-wise.  Na esteira da cultura do sound system, a re-contextualização dos ritmos e sons é enriquecida pela presença de vocalistas e músicos ao vivo.  Trabalhando com camadas de som, não é só ritmo ou harmonia, mas as justaposições e texturas que dão a esse trabalho uma profundidade raramente vista na música eletrônica atual.

Maga Bo tem se apresentado da Índia á Etiópia, do Brasil aos festivais mais importantes da Europa e em turnês pela America do Norte e Austrália. Tocou no Sydney Festival, no showcase oficial da WOMEX, Club Transmediale e Mundial. Constantemente em turnês, ele realiza produções na estrada, tendo colaborado com Mulatu Astatke, Issa Bagayogo, a estrela de Bollywood Shilpa Rao, e o fundador de Asian Dub Foundation, Dr. Das.  Lançou remixes elogiados de Poirier, Luisa Maita, Filastine, Blick Bassy e Bomba Estéreo.

Internacionalmente aclamado, Archipelagoes, seu primeiro álbum, foi gravado entre Senegal, Tanzania, Marrocos e África do Sul com rappers e músicos de peso, e foi lançado pela Soot Records, do DJ /Rupture.  Na seqüência, lançou um EP na Senseless Records a partir do trabalho com músicos tradicionais na Etiópia. Sua música e remixes têm sido lançados na Tru-Thoughts, Ninja Tune, Cumbancha, World Connection e muitas outras.

Atuando em mais de 40 países, ele tem enfrentado burocracias xenófobas, policiais corruptos, taxistas alcoolizados e malária.  Abordando os temas da apropriação cultural, fusão estilística e imigração, sua motivação crucial é levar às últimas circunstâncias a união entre criatividade e colaboração.

Pode chamá-lo de transnational bass, bass globalizado ou tropical bass: Maga Bo é tudo isso e mais um pouco. É parte dessa nova estranha zona musical onde os encontros é que constituem os lugares.

Baixa Maga Bo EPK Release